Friday, June 01, 2007

os livros

“(…) – Esta cidade é bruxa, sabe, Daniel? Mete-se-nos na pele e rouba-nos a alma sem darmos por isso.

- Fala como a Rociíto, Fermím.

- Não se ria, que são as pessoas como ela que fazem deste mundo cão um sítio que vale a pena visitar.

- As putas?

- Não. Putas todos o somos, mais tarde ou mais cedo. Eu digo as pessoas de bom coração. E não olhe assim para mim. (…)”

“(…) Bea diz que a arte de ler está a morrer muito lentamente, que é um ritual íntimo, que o livro é um espelho e que só podemos encontrar nele o que já temos dentro, que ao ler aplicamos a mente e a alma, e que estes são bens cada dia mais escassos.(…)”

Mesmo em Barcelona, a cidade dos livros. Faço parte desses seres que começam a escassear, que adoram ler livros e se deixam levar para outros mundos, ainda que apenas aqueles mundos infinitos que temos dentro de nós sem o sabermos.

dois extractos de "A sombra do vento" de Carlos Ruíz Zafón

1 comment:

Ninguém said...

- - - o título - - - cujo nexo se forma não obstante a impossibilidade do vento criar qualquer sombra.








- - - o vento possui uma sombra diferente de todas as outras, tão inconstante e ténue que apenas se ouve?







- - - a sombra do vento!!??
_ _ _ o som da sombra !!??
; ; ; o vento sobra do
= = = "todos o somos"
/ / / etc








. . . outro livro a aguardar tempo de leitura.